Como Evitar falência Espiritual

 
 
Nos dias hodiernos, a Igreja de Cristo tem enfrentando inúmeros problemas, dentre esses dilemas a falência espiritual é, sem dúvida alguma, o mais relevante e o mais perigoso.
 
A frieza espiritual tem atingido a vida de vários irmãos e até mesmo de igrejas inteiras. Este é um problema enfrentado por todos nesta última hora.



 

Notamos em algumas congregações, cristãos que, outrora eram usados por Deus e andavam no caminho da luz e agora estão na falência espiritual, ou seja, esfriaram e já estão quase a beira do fracasso. Mas, como evitar o esfriamento espiritual em meio a tantas mazelas no meio da Igreja? Como permanecer sempre cheio do Espírito?


 

 
Estudando a Bíblia Sagrada temos todas as respostas para estas perguntas, dentre as quais extraí cinco características para evitar a falência espiritual ou esfriamento espiritual – não importa e etimologia, mas primeiro vamos ver alguns motivos que nos fazem cair na bancarrota espiritual.


 

 
Sabemos muito bem que a ausência de comunhão com o Todo Poderoso causa o esfriamento espiritual. Quando estamos inteiramente ligados com Deus não há espaço em nossas vidas para o inimigo de nossas almas, porém, quando nos colocamos a uma distancia longínqua de Deus o maligno está à espreita e sem perca de tempo nos ataca. A Bíblia nos relata que ele anda em nosso derredor bramando como leão. (I Pedro 5.8). Vejamos agora as cinco características para evitarmos a falência espiritual, esfriamento ou o distanciamento do Todo-Poderoso.

Satanás está sempre em alerta e quando fracassamos em alguma área ele está pronto a nos atacar, conseqüentemente, nos distanciar de Deus, pois, esse é o seu maior objetivo: deixar-nos o mais longe possível do Criador.


1 – Orar
A oração é a chave!
A oração é o ato de comunicarmos com Deus, é falar nossas súplicas ao Senhor, é quando conversamos com o Pai. Quando queremos fazer amizade com alguém ou ficar mais próximos dela, o que fazemos? Conversamos com ela, não é mesmo?!. Não é diferente com Deus, quanto mais conversamos com Ele, mais íntimos ficamos d’Ele, mais experiências ganhamos.
A ordenança do Apóstolo Paulo aos Tessalonicenses foi: “Orai sem cessar”. Através da oração, contamos a Deus nossas falhas, dificuldades e também pedimos misericórdia para alcançarmos a vitória. Com oração não há espaço para o esfriamento.


2 – Buscar a face de Deus
Quando buscamos a face de Deus algo acontece! Vejamos o exemplo do rei Ezequias, que ao buscar a face de Deus recebeu a benção de viver mais 15 anos (2 Reis 20. 1- 6). Buscar a face de Deus é a mesma coisa que adorá-lO, com a diferença de buscar a plenitude da adoração. Quem busca a face de Deus não encontra espaço na sua vida para as obras que não são de Cristo, quando estamos na íntima presença d’Ele, nosso inimigo não pode nos atingir. Quanto mais buscamos a face de Deus em adoração e humilhamos na presença d’Ele, mais Ele nos exalta e nos concede a vitória. (Tiago 4.10).


3 – Jejuar
Todo cristão sabe o valor do jejum. Em quase toda a Bíblia encontramos o ato de jejuar. O próprio Jesus Cristo jejuou e nos mostrou que através do jejum podemos vencer qualquer tentação (Mateus 4). Conhecemos muito bem a história da cidade de Nínive, sabemos que Deus somente teve misericórdia daquele povo por causa de suas súplicas e seu jejum (Jonas 3. 5 - 10).
No evangelho a qual escreveu Mateus no capítulo 17 e versículo 21, vemos Jesus advertindo os discípulos a cerca de uma classe de demônios que só sai com jejum e oração. Isso evidencia mais uma vez que, orar e jejuar são práticas indispensáveis para o crente fiel.
Muitos crentes têm aversão para com o ato de jejuar, pois, tem em suas mentes um paradigma tenebroso no que tange a este ato. O que é uma pena, haja vista, o jejum trazer benefícios inigualáveis.


4 – Congregar ou ir a Igreja
Alegrei-me quando me disseram: Vamos à Casa do Senhor” (Salmos 122. 1).
O salmista Davi expressa muito bem o valor de congregar.
Em tempos de extremo avanço tecnológico, valorização imediata da internet e da televisão, muitas pessoas tem aderido ao movimento de valorizarem mais os cultos transmitidos pela internet e pela televisão do que ir à Casa do Senhor. Já surgiu até a Ceia virtual (Meu Deus! Onde vamos chegar!). Movimentos como esse, causam um dano imenso aos “crentes” seguidores, devido à falta de comunhão (Gr. Koinonia) entre os irmãos e também a falta de união. Sem contar, que participando dos cultos por esse meio, torna-se complicado adorar a Deus, pois esses meios oferecem um leque de entretenimento e possibilidades de distração, tirando assim a atenção e o foco do culto que é adorar a Deus.
Muitos têm-me indagado o porquê de congregarmos. Simples. Congregamos porque: a) o templo é o lugar específico para adorarmos e cultuarmos a Deus, b) lugar para o ensino da disciplina e norma de conduta cristã, c) lugar do crente praticar a mordomia cristã.
Congregar é irmos à igreja com o objetivo de agradecermos a Deus por ter-nos salvo.


5 – Ler a Bíblia
Salmos 119. 105 Ilustra muito bem o valor que tem a palavra de Deus na vida do cristão.
Em Salmos 1. 2 também encontramos uma analogia belíssima. O salmista compara uma pessoa que medita na palavra do Senhor a uma árvore plantada junto ao ribeiro, que nunca murcha e sempre dá frutos.
O apóstolo Paulo quando escrevia a Timóteo disse: “porque, pela palavra de Deus e pela oração, é santificado” (I Tm 4. 5).
A meditação na palavra de Deus é alimento para nossas almas, não tem como vivermos uma vida espiritual sadia se não lermos a Bíblia (Mateus 4. 4).
Leia a Bíblia!


Que possamos praticar estas características a fim de que cresçamos e prossigamos na presença do Mestre.

 

Fonte: http://atalaiadapaz.blogspot.com